Guía para o Descenso Enerxético


Este repto ético é crucial na história da humanidade e não é impraticável. Procuramos novos modelos económicos  por estarmos disconformes com o atual, evidentemente, mas também por um facto inquestionável  que a guia aborda sem mordaças: porque o petróleo tem os dias contados, Teresa Moure.

O livro tem a virtude de situar de maneira ajeitada o risco evidente do colapso. (...) focaliza a sua atenção no cenário próprio da Galiza e avisa-nos pelo miúdo das consequências esperáveis do início da era post-petróleo, ao tempo que reclama uma contestação franca da lógica do capitalismo e reivindica uma renascença da vida rural entre nós, Carlos Taibo.

Esta Guía detalla cuales serán los impactos psicológicos y sociales previsibles, pero también cómo organizar el transporte, (...) e hogar y su consumo mínimo; cómo atender en lo posible la salud en ese entorno, la educación y su nuevas formas, como ejercer uma economía biofísica y no especulativa como la actual o cuales son los cambios interiores que deberían experimentar los seres humanos sometidos a ese proceso de cambio, Pedro Prieto.

A enerxía é e vai seguir sendo cada vez náis cara, menos abundante e disponíbel en cantidades decrecentes, por terse alcanzado o teito de extracción do petróleo convencional e estar próximos os do carbón e o gas natural. Nestas circunstancias o modelo económico actual deixará de ser viábel e terá que mudar desde a raíz. É precisamente aí, na base social, onde debe comezar a trransformación e é a quen nos diriximos principalmente, Xoán R. Doldán.

Edição e texto de Asociación Véspera de Nada.
Coordinación: Manuel Casal Lodeiro
Illustracións: Antía Barba Mariño
Língua: Galega.
Galiza. 2014. . 314 Págs. broch.
12,00 €.

Leopardi (Giacomo) - Pensamentos

Com um ensaio de Rolando Damiani.

Tradução de Andrea  Ragusa e Ana Cláudia Santos.

Capa a partir de um desenho de Miguel Ferreira.

Paginação e capa de Rui Miguel Ribeiro.

Revisão de Mariana Pinto dos Santos e Rui Miguel Ribeiro.

Edição Bilingue.

Edições do Saguão.

2018. 165 Págs. broch.
14,00 €.

Branco (Rosa Alice) - Concerto ao Vivo

Capa de Bárbara Assis Pacheco.

Edição & etc.

2012. Lisboa. 66 Págs. broch.
11,00 €.

ex-curso

Pedro Levi Bismarck e Giorgio Agamben.

Textos à margem, desvios, derivas, experimentos.
Série b «1». série a #1 e série a #2
setembro 2018.

15 Páginas, agrafado.
3,00 €.





Gazeta Literária

Primavera 2018 | N.º 2.

Francisco Duarte Mangas, Augusto Baptista, Júlio Roldão, Costa Carvalho, Germano Silva, João Chagas, Alexandre Teixeira Mendes, Dalila Pereira da Costa, Rui Almeida, Inês Lourenço, Nuno Higino, Óscar Possacos, Minês Castanheira, Juan T. Pomar, José Viale Moutinho e Albano Martins.

Ilustração de Sónia Teles e Silva.

Diretor e Editor: Francisco Duarte Mangas.

Design: Abigail Ascenso.

Edição: Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto.

Porto. 71 Págs. broch.
10,00 €.


Botelho (Maria Leonor) - A Sé do Porto no século XX

Edição: Livros Horizonte. 2006. 276 Págs. broch.
18,00 €.

Passos (José manuel da Silva) - Guimarães

Património da Humanidade Através do Bilhete Postal Ilustrado.

Edição: Livros Horizonte. 2003. 199 Págs. broch.
18,00 €.

Musturi (Tommi) - Antologia da Mente

Traduzido por Anni Katajamaki.

Legendado por Taxi Lettering e Joana Pires.

Composição gráfica por Tommi Musturi.

Edição: MMMNNNRRRG.

2018. 128 Págs. broch.
15,00 €.

Bergman ( Benjamin) - Maximum Troll-On

Edição: MMMNNNRRRG.

2018. 108 Págs. broch.
10,00 €

Nódoa Negra

Bárbara Lopes, Cecília Silveira, Dileydi Florez, Hetamoé, Inez Caria, Inês Cóias, Marta Monteiro, Mosi, Patricia Guimarães, Sara Figueiredo Costa, Silvia Rodrigues e Susa Monteiro.

Coordenação, design & capa de Dileydi Florez.

Contracapa por Marta Monteiro.

Revisão: Sara Figueiredo Costa

Revision: Ana Matilde Sousa.

Edição: Chili com Carne.

2018. 134 Págs. broch.
10,00 €.

Dali (Salvador) - Mito Trágico do Angelus de Millet

Tradução: Célia Henriques / Vitor Silva Tavares.

Prefácio de V.S.T.

Foi composto e paginado por Inês Mateus.

Edição & etc.

Lisboa. 1998. 161 Págs. broch.
16,00 €.

Lafargue (Paul) - A Lenda de Victor Hugo

Tradução: Célia Henriques.

Revisão Literária: Vitor Silva Tavares.

Foi composto e paginado por Olímpio Ferreira.

Edição & etc.

Lisboa, 2002. 79 Págs. broch.
15,00 €.

Jordi Solé e Francesc Sardà - Por que é que a Crise non acabará Nunca

Este non é un libro máis sobre a crise económica, nin é un libro máis sobre o teito do petróleo, a pesar de que trata ambos temas. Tampoco é un libro con información  única ou inédita. Porén, a maior virtude desta obra é ser capaz  de sintetizar en pocas páxinas as cuestions máis relevantes que permiten observar unha mesma realidade que manifesta diversas faces. E isto, que poderia semellar simples, en verdade é uma ardua tarefa que os autores culminamcon éxito. Dar resposta a tantos interrogantes como os que se abren cando se formula a cuestión dunha diminución drástica da dispoñibilidade de petróleo convencional nun futuro próximo obriga, as máis das veces,  a extensas explicacións que non sempre  son fáciles  de comprender para persoas non especializadas nesta temática. Alén diso, circula moita información que, sobre postulados non sempre demostrábeis, tende a menosprezar o problema con argumentos tecnoptimistas, ou baseados nunha fe cega na capacidade ilimitada dos mercados para axustar os problemas de escaseza de qualquer tipo de recurso, Xoán R. Doldán García.

Edição: Asociación Touda / Véspera de Nada.

Tradución (para o Galego): Manuel Saavedra.

Galiza. 2016. 44 Págs. broch.
7,00 €.

Ribeiro (Orlando) - Introduções Geográficas à História de Portugal

Estudo Crítico.

«A capacidade de observação da paisagem demonstrada por Orlando Ribeiro (ainda hoje vivamente recordada por todos aqueles que o viram em acção - alunos, colegas ou amigos) conferia-lhe um especial talento para descobrir interpretações objectivas dos factos, ao mesmo tempo que lhe servia de defesa contra as generalizações apressadas. Por isso ao ler as suas Introduções, encontramos não só uma grande abundância de casos e exemplos concretos, mas também uma exemplar sobriedade na formulação de princípios, leis, factores, constantes, permanência ou repetições. Não nos oferece nenhuma proposta metódica acerca da relação da história  com a geografia. As suas observações não sistémicas, são pontuais. A sua concepção da história está marcada por um profundo sentido da imprevisibilidade da acção humana.» José Mattoso, Preâmbulo.

Revisão: Andreia Baleiras.

Edição: Livraria Letra Livre.

Lisboa. 2018. 218 Págs. broch.
15,00 €.


Vaneigem (Raoul) - Arte de Viver Para a Geração Nova

Livro de referência de Raul Vaneigem, um dos mais activos membros da Internacional Situacionista, que serviu de alimento teórico do Maio de 68, tonando-se uma obra marcante da contra-cultura dos anos 70. Num estilo poético e intempestivo, Vaneigem denuncia os sortilégios da sociedade de consumo, proclama a necessidadende inverter de forma radical a ordem social dominante e incentiva as novas gerações a viverem em função do desejo e do prazer.
Tradução : José Carlos Marques.

Tradução do prefácio por Júlio Henriques.

Texto fixado por Andreia Baleiras.

Edição: Livraria Letra Livre.

Lisboa. 2014. 356 Págs. broch.
16,00 €.

Monteiro (João César) - Obra Escrita. Volume III

O Último Mergulho - Esboço de Filme
Sinopse
Diálogos.

A Comédia de Deus
Valha-me Deus
Sinopse
Planificação.

Le Bassin de J. W.
Sinopse
Guião.

Coordenação: Vitor Silva Tavares.

Revisão: Andreia Baleiras.

Concepção gráfica: Luís Henriques.

Impressão da capa: Homem do Saco.

Edição: Livraria Letra Livre.

Setembro de 2017. 206 + 8 Págs. broch. Ilustrado.
20,00 €.

Cioran (E. M.) - História e Utopia

Trata-se de um aspecto da nossa decadência que escapou aos anarquistas, os mais recentes pelagianos, mas que tiveram sobre os seus antecessores a superioridade de rejeitar, por culto da liberdade, todas as cidades, a começar pelas «ideais», trocando-as por uma variedade nova de quimeras, mais brilhantes e mais improváveis do que as antigas. Se se insurgiram contra o Estado e reclamaram a sua supressão, é porque viram nele um obstáculo ao exercício de uma vontade fundamentalmente boa; ora, é precisamente por esta última ser má que o Estado nasceu; e se o estado desaparecesse, vê-la-íamos comprazer-se no mal sem quaisquer restrições. O que não impede que a ideia de aniquilar toda a autoridade continue a ser uma das mais belas alguma vez concebidas. e nunca choraremos bastante a extinção da raça dos que a quiseram realizar, E. M. Cioran.

Tradução de Miguel Serras Pereira.

Revisão de Andreia Baleiras.

Grafismo de Pedro Serpa.

Edição: Livraria Letra Livre.

Lisboa. 2014. 140 Págs. broch. € 14,00.