Mett (Ida) - Cronstadt 1921.

Crepúsculo Sangrento dos Sovietes.

Cronstad fica sobre a ilha Kotline, a uma distância de 26,5 km de Petrogrado, a 7 km de Oranienbaum, a 13 km de Terioki. A fortaleza foi construída por Pedro, o Grande, em 1710 para defesa naval de Petrogrado. A coragem dos marinheiros de Cronstadt na luta contra a autocracia czarista mereceu elogios de Lenine, Trotski e dos bolcheviques em geral. Em 1917, eles tiveram um papel decisivo na aparente conquista do poder pelo proletariado russo. De 3 a 16 de Março de 1921, o sangue correu nas ruas  de Cronstadt, que se havia revoltado contra a usurpação do poder dos sovietes pelo Partido Comunista. Desta vez, Lenine, Trotski pouparam os elogios e concentraram o seu esforço em destruir uma insurreição que ameaçava os novos exploradores do povo russo. Até hoje, tanto a historiografia corrente no Ocidente como a historiografia oficial soviética, subordinada a interesses estatais e impedida de encetar uma investigação livre, têm sistematicamente mentido ou silenciado os factos relativos a um dos episódios maiores da fase final da Revolução Russa. É a história desse episódio, esmagamento sangrento do último soviete livre, que este livro serve de introdução insubstituível.

Tradução de J. Silva Dias e Zinda Vasconcelos.

Revisão de Andreia Baleiras.

Capa e paginação de Pedro Mota.

Edição: Livraria Letra Livre.

Lisboa. Setembro de 2021. 155 Págs. broch.

€ 11,00.



Lapierre (Georges) - O Mito da Razão

A razão não é um mito; mas o mito diz respeito ao surgimento da razão. Segundo o pensamento ocidental, a razão teria nascido na Grécia Antiga e seria  sua propriedade exclusiva. Assim o foram aplicando por decreto, em particular nos territórios extra-europeus e ao longo dos séculos, missionários, colonos, agentes políticos, historiadores, antropólogos. Todos negaram o uso da razão aos povos que doutrinaram, massacraram, estudaram, exploraram. Este livro parte de um problema de tradução, quando o autor, no I Encontro Intercontinental pela Humanidade e contra o Neoliberalismo (Chiapas, 1995), ficou encarregado de traduzir a declaração de boas-vindas do EZLN proferidas pela comandanta Ana María. A braços com a rigidez linguística da sua língua estatal, foi levado a compreender a complexidade semântica de uma língua maia e a sua diferença comparativa - porque os seus falantes indígenas, ao contrário dos «povos da mercadoria», não concebem senão uma relação horizontal de reciprocidade entre iguais, que se manifesta na língua. A partir dessa dificuldade de interpretação, o autor procede a um estudo das muito divergentes concepções mentais, sociais e políticas que regem a cultura ocidental, assente no Estado, e as suas culturas indígenas mexicanas regidas pela comunidade. George Lapierre, activista e ensaísta francês, encarou a grande revolta zapatista de 1 de Janeiro de 1994, no estado mexicano do Chiapas, como uma «revolução copeniciana», que levou , desde então, a interessar-se in loco por esta aventura humana que tem vindo a desbravar novos horizontes de emancipação. Depois de L'Imcendie millénariste (1987), escrito em parceria com Yves Delhoysie, a maio parte da sua bibliografia tem sido inspirado por ela, incluindo o extenso volume Être ouragans. Écrits de la dissidence.

Tradução de Ana Marques.

Desenhos de Manu Ramirez Valle e Enrique Diáz.

Revisão de Júlio Henriques.

Grafismo e paginação de Pedro Mota.

Livros Flauta de Luz.

Setembro de 2021.140 Págs. broch. € 12,00.




 


Viver a Utopia

Cinco Ilhas de Um Arquipélago Disperso.

Nesta edição, a Barricada de Livros decidiu divulgar cinco experiências concretas protagonizadas por anarquistas, viradas par o "mundo real" e que, apesar de serem "ilhas" pequenas rodeadas por um "mar" imenso e adverso, já perduram há muitos anos e em lugares distintos. Diony-Coop, uma cooperativa autogerida de consumo alimentar em Saint-Denis, uma cidade-satélite de Paris; Eléuthera, uma editora comsede em Milão; Paideia, uma escola na cidade espanhola de Méida; Soma, uma terapia concebida pelo multifacetado anarquista brasileiro Roberto Freire; por fim, Urupia, uma comunidade agrícola na região italiana da Puglia.

Revisão: Sílvia Jorge.

Projecto gráfico: Joana Pires.

Barricada de Livros.

Lisboa. 2021. 184 Págs. broch.

€ 10,00.



Baffo (Giorgio) - Sonetos Eróticos


Tradução e nota de abertura de José Colaço Barreiros.

Revisão de Carina Correia.

Imagem de capa de François- Edouard Picot.

Design de João Bicker.

VS. Vasco Santos.

Outubro de 2021. 45 Págs. broch. Língua: Italiano/Português.

€ 10,00.

Montaigne (Michel de) - Que Filosofar é Apresentar a Morrer

Tradução de Diogo Paiva.

Revisão de Carina Correia.

Fotografia da capa de Maria Bicker.

Design de João Bicker.

VS. Vasco Santos.

Setembro de 2021. 41 Págs. broch.

€ 10,00.



Fisher (Mark) - Fantasmas da Minha Vida

Escritos sobre Depressão, Hantologia e Futuros Perdidos.

Tradução de Vasco Gato.

Prefácio de Mariana Pinho.

Revisão de Carina Correia.

Design de João Bicker.

Fotografia da capa de Nuno Cera.

VS. Vasco Santos.

2021. 336 Págs. broch.

€ 19,00.




D'Agostinho (Paola) - Trancredi, O Napolitano

Tradução de Vasco Gato.

Revisão de Carina Correia.

Composição de Luis Félix, Aresta Criativa.

Design de João Bicker.

Fotografias de Estelle Valente.



VS. Vasco Santos.

2021. 119 Págs. broch.

€ 15,00.


Allais (Alphonse) - Scientia Liberatrix ou A Sogra Explosiva

No segundo piso do Madalena-Bastilha, uma mulher jovem (criatura de físico bastante sedutor, não diremos agora o contrário, mas de rudimentar cultura mundana e de colóquio trivial) rebentou de riso à vista do cavalheiro condecorado com quem ficou frente a frente no Batignolles-Clichy-Odéon, e fez-lhe atrevidamente a pergunta desde há algum tempo a esta parte muito em moda em Paris, e que as pessoas a cada passo repetem, sem que exista para isso a menor das justificações: - O que é que tomas tu para a constipação? O quinquagenário sanguíneo, a quem era proposta tão descabida questão, infelizmente não podia ser considerado pessoa de espírito e tolerância. Em vez de encolher os ombros com indiferença, desfez-se em mil invectivas conta a jovem frívola, chamando-lhe  sucessivamente pega, cabra e porca, triplo insulto revelador de um profundo respeito pela zoologia, mas igualmente revelador de um não menos elevado grau  de obsessão pela lógica, AA.

Selecção, apresentação e tradução de Aníbal Fernandes.

Revisão de Andreia Baleiras.

Capa e grafismo de Luís Henriques.

Maldoror.

Julho de 2021. 310 Págs. broch.

€ 14,00.



George (João Pedro) - Chatear o Camões

 Inquérito à vida cultural Portuguesa.

Estranhamente, ou não, as pessoas da cultura, muito mais do que os políticos, têm dificuldade em lidar com a crítica, mostram  um reduzido poder de encaixe, gostam de desautorizar quem pensa pela sua própria cabeça e não está constantemente a ponderar cada palavra com medo de ferir susceptibilidades infantis. É isso que explica, parece-me, que qualquer desacordo ou discordância de pontos de vista tenda a ser encarado como um ataque pessoal ou uma tentativa de salpicar de lama os «figurões», fruto da inveja e do rancor, JPG.

Ilustrações de Miss Inês.

Maldoror.

Setembro de 2021. 633 Págs. broch.

€ 22,00.

Roque (Jorge) - Eu e Tu

Capa e grafismo de Luís Henriques. 

Paginação de Inês Mateus.

Revisão de Andreia Baleiras.

Maldoror.

Agosto de 2021. 75 Págs. broch.

€ 8,00.



Costa (Rebelo da Costa) - Descrição Topográfica e Histórica da Cidade do Porto

Prefácio de Francisco Ribeiro da Silva.

Frenesi. Lisboa. MMI.


273 Págs. broch. Usado.

€ 20,00.

Russell (Bertrand) - A Minha Concepção do Mundo


Tradução de Natália Oliva Teles.

Brasilia Editora. Porto. 1970. 179 Págs. broch. Usado.

€ 7,00.

Obras de Ferreira de Castro

 Lello & Irmão - Editores. Porto. 1984. 4 Volumes. 1219 + 1452 + 1196 + 1383 Páginas, encadernação editorial e em papel bíblia. Usado.

€ 45,00.



As Magias


(Alguns Exemplos).

Versões de Herberto Helder.

Capa de António Lobo.

Fotografia de Jorge Molder.

Assírio & Alvim. 1988. 61 Págs. broch.

€ 40,00.

Pacheco (Luiz) - Textos Sadinos


Prefácio de Baptista-Bastos.

Epitáfio de Ângela Caires.

Capa e ilustrações de Rui Mesquita.

Plurijornal editora. Setúbal. 1991. 76 Págs. broch.

€ 40,00.

Freitas (Manuel de) - Uma Espécie de Crime: Apresentação do Rosto de Herberto Helder

Capa de José Francisco Azevedo.

Foi composto e paginado por Inês Mateus.

Edições Alambique.

Setembro de 2021. 90 Págs. broch.

€ 12,00.




Nogueira (Vítor) - Rés-do-Chão

Capa de Carlos Nogueira. 

Arranjo de gráfico de Pedro Santos. 

Edições Averno. 

Outubro de 2021. 55 Págs. broch. 


€ 10,00.