Crews (Harry) - Um Festim de Serpentes

Nunca lhe tinham apresentado ninguém que pertencesse a um clube de debate, e Joe Lon não sabia bem o que dizer, porque não sabia ao certo o que era isso. Provavelmente, algum daqueles desportos estrangeiros, de maricas, como o futebol europeu, Alguém que jogasse essa merda só podia ser um brochista, pensou Joe Lon. (da contracapa).

Tradução de José Miguel Silva.

Revisão de Andreia Baleiras.

Capa e grafismo de Luís Henriques.

Maldoror.

2021. 207 Págs. broch.

€ 16,00.



Crews (Harry) - O Cantor de Gospel

Tradução de José Miguel Silva.

Revisão de Andreia Baleiras

Capa e grafismo de Luís Henriques.

Paginação de Diogo Vaz Pinto.

Maldoror.

2019. 283 Págs. broch.
 

16,00 €.


Jacob (Inês Francisco) - Maremorto


Com capa a partir de fotografia de Mariana Narciso.

Foi paginado por Inês Mateus.

Alambique.

2021. 65 Págs. broch.

€ 10,00.

Mett (Ida) - Cronstadt 1921.

Crepúsculo Sangrento dos Sovietes.

Cronstad fica sobre a ilha Kotline, a uma distância de 26,5 km de Petrogrado, a 7 km de Oranienbaum, a 13 km de Terioki. A fortaleza foi construída por Pedro, o Grande, em 1710 para defesa naval de Petrogrado. A coragem dos marinheiros de Cronstadt na luta contra a autocracia czarista mereceu elogios de Lenine, Trotski e dos bolcheviques em geral. Em 1917, eles tiveram um papel decisivo na aparente conquista do poder pelo proletariado russo. De 3 a 16 de Março de 1921, o sangue correu nas ruas  de Cronstadt, que se havia revoltado contra a usurpação do poder dos sovietes pelo Partido Comunista. Desta vez, Lenine, Trotski pouparam os elogios e concentraram o seu esforço em destruir uma insurreição que ameaçava os novos exploradores do povo russo. Até hoje, tanto a historiografia corrente no Ocidente como a historiografia oficial soviética, subordinada a interesses estatais e impedida de encetar uma investigação livre, têm sistematicamente mentido ou silenciado os factos relativos a um dos episódios maiores da fase final da Revolução Russa. É a história desse episódio, esmagamento sangrento do último soviete livre, que este livro serve de introdução insubstituível.

Tradução de J. Silva Dias e Zinda Vasconcelos.

Revisão de Andreia Baleiras.

Capa e paginação de Pedro Mota.

Letra Livre.

Lisboa. Setembro de 2021. 155 Págs. broch.

€ 11,00.



Lapierre (Georges) - O Mito da Razão

A razão não é um mito; mas o mito diz respeito ao surgimento da razão. Segundo o pensamento ocidental, a razão teria nascido na Grécia Antiga e seria  sua propriedade exclusiva. Assim o foram aplicando por decreto, em particular nos territórios extra-europeus e ao longo dos séculos, missionários, colonos, agentes políticos, historiadores, antropólogos. Todos negaram o uso da razão aos povos que doutrinaram, massacraram, estudaram, exploraram. Este livro parte de um problema de tradução, quando o autor, no I Encontro Intercontinental pela Humanidade e contra o Neoliberalismo (Chiapas, 1995), ficou encarregado de traduzir a declaração de boas-vindas do EZLN proferidas pela comandanta Ana María. A braços com a rigidez linguística da sua língua estatal, foi levado a compreender a complexidade semântica de uma língua maia e a sua diferença comparativa - porque os seus falantes indígenas, ao contrário dos «povos da mercadoria», não concebem senão uma relação horizontal de reciprocidade entre iguais, que se manifesta na língua. A partir dessa dificuldade de interpretação, o autor procede a um estudo das muito divergentes concepções mentais, sociais e políticas que regem a cultura ocidental, assente no Estado, e as suas culturas indígenas mexicanas regidas pela comunidade. George Lapierre, activista e ensaísta francês, encarou a grande revolta zapatista de 1 de Janeiro de 1994, no estado mexicano do Chiapas, como uma «revolução coperniciana», que levou , desde então, a interessar-se in loco por esta aventura humana que tem vindo a desbravar novos horizontes de emancipação. Depois de L'Imcendie millénariste (1987), escrito em parceria com Yves Delhoysie, a maio parte da sua bibliografia tem sido inspirado por ela, incluindo o extenso volume Être ouragans. Écrits de la dissidence., JH.

Tradução de Ana Marques.

Desenhos de Manu Ramirez Valle e Enrique Diáz.

Revisão de Júlio Henriques.

Grafismo e paginação de Pedro Mota.

Livros Flauta de Luz.

Setembro de 2021.140 Págs. broch. € 12,00.




 


Foster (Hal) - Maus Novos Tempos

Arte. Crítica, Emergência.

Tradução de Vasco Gato.

Revisão de Carina Rodrigues.

Design de João Bicker.

VS.

Outubro de 2021.  227 Págs. broch.

€ 19,00.



Fondane (Benjamin) - Ulisses

Tradução de Diogo Paiva.

Revisão de Carina Correia.

Design de João Bicker.

VS.

2021. 91 Págs. broch. 

€ 15,00.




Althusser (Louis) - Maquiavel e Nós

Tradução de Diogo Paiva.

Prefácio de João Oliveira Duarte.

Revisão de Carina Correia.

Design de João Bicker.

Composição de João Félix.

VS.

Outubro de 2021. 167 Págs. broch.

€ 17,00.



Jünger (Ernst) - O Passo da Floresta

Tradução e Posfácio de Maria Filomena Molder.

Revisão de João Oliveira Duarte.

BCF.

Outubro de 2021. 141 Págs. broch.

€ 14,00.



Lasgasnerie (Geoffroy de) - Sair da Nossa Impotência Política


Tradução de Diogo Paiva.

BCF.

Outubro de 2021. 96 Págs. broch.

€ 13,00.

Catarino (António Luís) - Abjectos Surreais

Desenhos.

E textos de Álvaro Lapa, António Dacosta, António José Forte, António Maria Lisboa, Carlos Eurico da Costa, Cruzeiros Seixas, Henrique Risques Pereira, Herberto Helder, Manuel de Castro, Manuel de Lima, Mário de Cesariny de Vasconcelos, Mário-Henrique Leiria, Pedro Oom, Virgílio Martinho.

Artes Breves. Coimbra. Setembro de 2021. 46 Págs. broch.

€ 15,00.



Rosa (António Ramos) - A Mão de Água e a Mão de Fogo


Antologia Poética.

Selecção e organização de António Ramos Rosa.

Posfácio de Maria Irene Ramalho Sousa Santos. 

Fora do Texto. Coimbra. 1987. 279 Págs. broch. Usado.

€ 18,00.

Firmo (Manuel) - Nas Trevas da Longa Noite


Da Guerra de Espanha ao Campo do Tarrafal.

Europa-América. 1978. 191 Págs. broch. Usado.

€ 15,00.

Carvalho (Rubens de) - As Músicas do Fado


Prefácio de Rui Vieira Nery.

Campo das Letras. 1994. 135 Págs. broch. Usado.

€ 14,00.


Anhanguera (James) - Corações Futuristas


Notas sobre Musica Popular Brasileira.

A Regra do Jogo. 1978. 317 Págs. broch. Usado.

€ 15,00.

Boal (Augusto) - Milagre no Brasil


Capa de Mário Henrique Leiria.

Plátano. Lisboa. 1976. 266 Págs. broch. Usado.

€ 9,00.

Amaral (Ana Luísa) - Poesia Reunida

1990 - 2005.

Quasi. Vila Nova de Famalicão. 2005. 475 Págs. broch. Usado.

€ 19,00.